quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Sobre o colo que vicia e outras mentiras

Desde o começo da gravidez eu escuto muitas bobagens disseminadas pelo senso comum, mas a pior delas sempre foi o vício no colo. Essa é uma conversinha chata e antiga, e que parece nunca perder força. Vício não é boa coisa. É imperfeição, defeito. E uma coisa eu posso garantir, colo é coisa muito boa. Colo, carinho, aconchego. E colo de mãe, então. Amo o colo da minha até hoje. Não foram poucas as vezes que, mesmo depois de adulta, me debulhei em lágrimas sendo afagada pela mão da minha mãe, apoiada no colo que tanto me acolheu. Só não entendo porque essa cisma em negar colo a um serzinho que acabou de chegar no mundo.Porque querer que um bebê, que por 9 meses esteve dentro de mim, saia e se habitue a um mundo tão diferente e hostil? Porque achar que o berço caro é mais acolhedor que o colo de mãe? 
Sempre ouvi que eu iria me arrepender porque deixava o pequeno adormecido no colo. Quando Miguel adormecia, tão pequenininho, era o momento que eu aproveitava pra admirá-lo em silêncio. Olhava cada traço do rostinho, cheirava as mãozinhas, alisava a cabecinha cabeluda. Sentia o calor daquele corpinho minusculo. A respiraçãozinha profunda. Babava cada instante dele no meu colo. Babava e babo, mas os momentos de colo tem diminuído muito. A despeito das previsões do bebê dominador e cruel que iria utilizar o colo para me manipular, o meu bebê de 6 meses recusa o colo. Agora ganhou o chão. E os meu braços deixaram de caber toda a sua energia. Seu mundo se expandiu e a mim resta ajudá-lo a conhecer o mundo além do meu colo. 
O tempo tem voado. Apesar da sensação de ter vivido com ele desde sempre, não consigo acreditar na velocidade do seu crescimento. Anteontem ele sentou sozinho. Estava de quatro apoios e sentou. Agora se segura em mim e levanta sozinho. Engatinha e explora tudo ao redor. E eu, bestificada, peço que o tempo desacelere. O colo farto não o tornou "manhoso", "mimado" ou "viciado". Muito pelo contrário, a certeza de que o colo está sempre aqui o faz mais livre, mais seguro. Ele vai sabendo que tem sempre para onde voltar.  A órfã de colo sou eu. As vezes agarro, beijo, aperto, grudo e quero que ele fique colado em mim. Mas os bracinhos fortes empurram e querem liberdade. E a mãe carente aqui é quem tem crises de abstinência. Nunca tive pressa para que ele cresça. Não exijo nem almejo independência. Aproveito cada instante que o tenho aqui, aproveito cada vez que os bracinhos se estendem requerendo um pouco de atenção. Porque um dia a casa voltará a ser vazia. O barulhinho das musiquinhas dos brinquedos não existirá mais. Até o choro me fará falta. O pulsar da energia de uma criança ficará apenas na lembrança. O cheirinho   gostoso do hálito de leite deixará de existir. Não sei como será a vida do meu filho, se no futuro o verei apenas nas datas comemorativas, se morará ali na esquina ou em outro País. Por isso curto o que posso curtir agora. Grudo agora.  E quando ele quer colo ele tem.
Fico com pena das mães que negaram sua própria natureza e deixaram as crias abandonadas em berços, chorando. Fico imaginado que lembranças terão as mães que se recusaram a amamentar. Ah, a amamentação...essa merece um post só pra ela. Como eu queria que todas as mães pudessem e soubessem valorizar a dádiva que é dar o peito, dar o colo. 
Penso que a maioria dessas mães dominadoras, que reclamam que os filhos não ligam, não dão notícias, foram mulheres que não aproveitaram quando deveriam. Ansiaram tanto que as crias se tornassem independentes que não viveram a delícia dos momentos de absoluta dependência. E agora clamam pelo colo que tanto negaram. Pela atenção que injustificadamente não deram.
O mundo precisa de pessoas dispostas a dar e receber colo. O mundo precisa de pessoas que aprendam, desde pequenininhas, que carinho e amor não se restringe, não acostumam mal.  Pessoas que saibam que somos uma fonte inesgotável de afeto e de boas energias, quanto mais damos, mais temos a dar. Nas bandas de cá, tenho feito minha parte.

19 comentários:

  1. Fiquei emocionada! Lindo texto, bjs.

    ResponderExcluir
  2. "Seu mundo se expandiu e a mim resta ajudá-lo a conhecer o mundo além do meu colo." Lindo, Elis! Você fica cada dia mais encantadora. E, sim, ouse tomar essa pílula vermelha e ser feliz. Saudades...Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Texto maravilhoso! Perfeito! Amei!
    Beijos!
    Dani Ogata

    ResponderExcluir
  4. Puxa... nao conhecia esse blog, e jah virei fan de primeira...
    Que post mais lindo, acolhedor e gostoso como o colo de mae que voce tao bem descreveu acima.
    Meu filho, assim como o seu, sempre teve o colo farto. E eu tambem ouvia a falacia maxima do vicio. Cada vez que ouvia isso me fazia de paisagem e tocava pegar o meu bebe (que jah eh menino grande) no colo. Ateh hoje eu tento fazer isso. Eh tao bom quando consigo... parece que volta aquela epoca em que o meu colo era o seu mundo...
    Beijos e parabens pelo lindo post!!!!

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto!!!!!!!!!!!!!!
    Curiosidade, o que é a pilula vermelha?
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Obrigada,meninas!
    Dri, você já assistiu Matrix?
    Dá uma lida nesse link que você vai entender:
    http://ohomemquesabiademasiado.blogspot.com.br/2009/03/matrix-pilula-azul-ou-vermelha.html
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Q lindo!!! Amo tudo q vc escreve e compartilho do mesmo sentimento em relação à maternidade.
    Blog perfeito, parabéns!! vou acompanhar e divulgar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Lindo, lindo, lindo. Eu penso e ajo como você! Meu amado Pedro está com 5 meses e rezo para o tempo desacelerar! bjs

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito do texto. Também ouvi várias vezes que deixaria meu bebê "mal acostumado"...adotei o pensamento de uma amiga: se acostumar com coisa boa é ficar bem acostumado, e não mal acostumado! Abraços

    ResponderExcluir
  10. Aqui sempre teve colo e MUITO colo. O que já ouvi de gente chata falando: " fique ai viciando em colo que vc não terá mais vida " ou " por que ele dorme no seu colo? tem que ficar no carrinho! "
    E hoje me sinto como você, orfã de colo! Vai fazer 5 meses na próxima semana e pira quando eu pego no colo pra fazer um denguinho! O negoço aqui é chão, chão, chão! rs

    Beijos, Elis! :)

    http://gostosurasetravessurasmaterna.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. lindo! amei.. parabens pela sua bela forma de se expressar..

    ResponderExcluir
  12. #tamojunto !! por aqui dei, dou e sempre darei colo!!
    sou a favor do aconchego, do carinho...
    adorei o texto.
    bjinho
    http://simplesmente-mamae.blogspot.com.br/
    http://www.mamaesemrede.com/

    ResponderExcluir
  13. Ahhh chorei! Lembrei do tempo dos meu pequeninos... Hoje estão com 13 e 10 anos... Ahh como era bom vê-los dormindo aconchegados em mim... Se eu tivesse tempo ficaria assim todo o tempo do sono deles. Hoje meu menino de 13 está mais alto do que eu, mas ainda dou colo a ele (e ele a mim)!!!!

    ResponderExcluir
  14. Lindo texto! Recentemente escrevi sobre isso no blog-falei da "manha" e da criação com apego e respeito. A maioria me acha louca por nunca negar um colo, um peito. Loucos são eles, nosso amor de mãe não tem limites!

    beijos!
    tati

    maedoerich.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seguir nossos instintos no mundo de hoje parece loucura...vai entender...

      beijos

      Excluir
  15. Lindo! Embora tenha dado colo e amamentado a minha filha até um ano e meio (hoje ela tem 26 e é mãe) sou uma avó preocupada, pois à época pedi demissão do meu emprego para ficar com ela. Não me arrependo, mas sempre ouvi dizer que colo vicia e infelizmente repito a mesma coisa para ela com relação a minha netinha. Dou a mão a palmatória, acho que estou falando bobagens que escutei a vida inteira, embora não tenha praticado.
    Parabéns pelo seu texto e por abrir a mente de nós mais velhos, afinal estou com 51 anos mas sei reconhecer quando estou errada, principalmente no fator materno. Beijos. Rosana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não imagina o quanto fiquei feliz com esse comentário, Rosana! Infelizmente disseminamos desconhecimento por tanto tempo que nem sabemos mais de onde veio tanta verdade absoluta. Colo é coisa boa. Faça um favor a si, a sua filha e a sua neta: Incentive o colo! Dê e peça colo! Amor em família é gostoso demais!

      Excluir